Alerta ROSA




Gravatá, PE


Falar de qualquer doença parece-me complicado. Porque não conheço nenhum ser humano que deseje estar ou ficar doente, exceto para chamar a atenção de alguém, inventar desculpas ou por ter algum distúrbio mental.

Falar de câncer é mais complicado ainda. Porque o próprio nome assusta, afugenta, mete medo e tem uma ligação muito estreita com a finitude da vida terrena e com as limitações do homem.

Mas, outubro entra rosa

Não como a delicadeza da cor, tampouco como 

perfume da flor.

Outubro entra mesmo feminino para alertar sobre os dados cruéis: só em 2016, o Instituto Nacional do Câncer (INCA) estima que 57 mil novos casos  de câncer de mama sejam diagnosticados.

Então, é um problema nosso: de homens e mulheres.

A doença acomete mais mulheres e menos homens (1% dos casos).

Mas, os homens têm o dever de incentivar sua parceira, filha(s), amiga(s), conhecida(s) a realizarem o autoexame mensal e irem ao médico.

Segundo o mastologista pernambucano, Dr. Jessé Marques da Cunha, a mulher deve começar a se cuidar a partir da primeira menstruação.

Infelizmente, a maioria das brasileiras não tem acesso a exames preventivos como a mamografia e até o mais simples - ultrassonografia. E o mais importante para se obter a cura, é identificar a doença em seu estágio inicial, ou seja, antes de ser palpável, segundo o Dr. Jessé Marques.

O tratamento do câncer de mama maltrata o paciente, mexe com sua autoestima, deprime e isola. É um sofrimento silencioso que se estende à família e aos amigos.


Fonte: INCA   (Leia-se reposição hormonal)



Fonte: INCA


Portanto:




E este post é dedicado a minha amiga de adolescência que, carinhosamente, chamo de Titina e está enfrentando bravamente a doença. Rezo todos os dias para que Deus continue lhe dando serenidade.







Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela visita.