O agora não é para sempre




“A dor e o prazer são as duas formas extremas da sensação.
Para suprimir uma ou outra seria preciso suprimir a sensibilidade.”
(Léon Denis, filósofo, 1846-1927)



 “Pense como será bom quando parar de doer”, dizia meu pai.

Frequentemente recebia este conselho do papai enquanto estava crescendo, geralmente, depois de alguma pequena batida ou arranhão vinha acompanhado de uma grande reação dramática.

Naquele tempo o conselho não ajudava. Eu era incapaz de me concentrar em qualquer outro assunto senão em minha dor, e os altos lamentos acompanhados de baldes de lágrimas pareciam ser a única reação apropriada.

Através dos anos, porém, o conselho do papai ajudou-me a passar por algumas situações realmente infelizes.

Quer fosse a dor de um coração partido ou o sofrimento de uma doença, eu lembrava de que: o agora não é para sempre.

A confiança que temos é que Deus tem algo bom planejado para nós. O sofrimento não faz parte de Seu ato original da criação, mas serve como um lembrete temporário do que acontece num mundo onde o equilíbrio foi transgredido. [...]

Então, embora não possamos evitar a dor e o infortúnio, sabemos que isso é apenas temporário.”

(Trecho extraído do livro Nosso andar diário, 2011).


Bom início de semana.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela visita.