Cara de palhaço, pinta de palhaço




Algumas mentiras que ouvimos, nós temos que fingir que acreditamos para poder viver em paz com as pessoas que encontramos pelo caminho e que nos cercam.

Porque há mentiras que são tão inofensivas para quem ouve, mas tão bombásticas para quem diz. E quem diz nem percebe que uma mentira vai formando sua teia até envolver, por completo, o mentiroso.  Então, quem mente muito começa a acreditar na própria mentira e termina se contradizendo. É nesta hora, que vale fazer uma cara de paisagem, pensar que poderia até ser verdade e, assim, evitar o riso.

Você conhece alguém que mente muito? Não se desespere. Neutralize-se. Finja acreditar, exceto se a mentira for prejudicar você ou alguém que conheça. Caso contrário, esqueça a falsa verdade da pessoa. E depois dê muitas  risadas.

Porque, por poucos minutos, você poderá até parecer ter “cara de palhaço, pinta de palhaço, roupa de palhaço“ (Miltinho). Mas, não será. Isso é o mais importante: Não roube sua paz de espírito por causa de pessoas que não merecem.

Então pense:

“Ninguém pode lhe roubar a paz.
Nenhuma força exterior é capaz suficiente para entrar em você e de lá arrancar a paz que você guardou.
Sua paz, porém, é muito sensível aos seus pensamentos.
Os do amor, a elevam. Os do mal, a destroem. É você, portanto, que a eleva ou rebaixa sua paz, tornando-a clara ou escura.
Não trate a sua paz com indiferença.
Você depende da paz tanto quanto ela de você.”

(Lourival Lopes)


Bom início de semana.





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela visita.