Jogo no lixo ou faço um apêndice? Ou será anexo?






Sabe aquele tema que você escreve, escreve, escreve e parece nunca ter fim? Você até compraria um ponto final, se ele estivesse à venda, só para conseguir terminar a monografia, dissertação ou tese. Não é verdade? Está nessa?

Daí, marcado o dia, você leva suas anotações para o orientador, (que já não sabe mais se ama ou odeia) e ele diz: “Faça um apêndice”, ou “Tudo isso entra em anexos”.  Putz! 

Você olha para o orientador com aquela cara de dúvida e ele diz:

- Estou dizendo, fazer um post scriptum... 

Quando você pensar em exterminá-lo, ele diz à turma:

 - O próximo. Qual a sua dúvida? 

E agora? Não se desespere. Vamos entender...

Se você estava inspiradíssimo e produziu muitos textos que não cabem na dissertação, monografia, tese, enfim, no seu trabalho você fará um apêndice. Esses textos são importantes para quem vai ler seu trabalho, mas sim incluídos como capítulos poderiam quebrar uma sequência lógica, além de deixá-lo volumoso. 




Fazendo uma comparação grotesca, é como se você fosse visitar uma cidade e seus pontos turísticos, mas encontrou um barzinho que valeu à pena dar uma paradinha, mas não se inclui como ponto principal. Como você quer dá uma dica ao próximo turista, você dividirá: 1 – a cidade como capítulo; 2 – Pontos turísticos como subitens ou divisão secundária; 3 – O barzinho (show de bola) como apêndice. 

Tá ligado?

Então, conclui-se que:

Apêndices – Foram produzidos por você ao longo do trabalho. Você vai acrescentá-los porque não gostaria de jogá-los no lixo, já que eles servirão de suporte para complementar e ampliar a compreensão do trabalho, além de comprovar o estudo. Um exemplo são os questionários, ofícios encaminhados aos entrevistados entre outros. Cabem aqui também textos e ilustrações. 

E como ordená-los?

Eles são ordenados em forma alfabética.

Como colocá-los no sumário?

APÊNDICE A – Ofício ao Diretor do Instituto de Pesquisas
APÊNDICE B – Entrevistas realizadas com alunos do Ensino Médio.

Por que seus escritos não serão anexos?

Pense, por no exemplo, na cidade que visitou. Houve um momento em que você precisou de um mapa, folder, cartão de visita, panfletos ou qualquer outro material impresso ou não que lhe auxiliasse no turismo. Não é verdade? E eles foram produzidos por outra pessoa. Certo? Então eles serão seus anexos. Entendeu? 

Portanto, anexos são documentos que não foram escritos por  você.  Mas, eles vão servir para “fundamentação, comprovação e ilustração (ver ABNT-NBR14724:2011) dos dados e informações que você colheu na pesquisa. 

Exemplos: cópia de uma legislação, trechos de documento, jurisprudência, legislação estrangeira, entre outros. Mas, nada de anexar as leis que estão em vigor e que podem ser facilmente encontradas na internet, em códigos, coletâneas, anuários etc. 

Como colocar no sumário?

ANEXO A – Fluxograma da empresa Y
ANEXO B – Legislação em vigor, 1935.

Tanto o apêndice quanto o anexo é considerado elementos pós- textuais, ou seja, post scriptum – estão depois do escrito.

E essa maçaroca de papel é numerada?

A numeração dos anexos e apêndices não deve estar na sequência da numeração do trabalho. Portanto, seu escritos param na referência, depois você pode colocar uma folha divisória com o nome “Anexos” ou “Apêndice” - é opcional porque já constará no sumário.

Se você quiser citar o anexo ou apêndice no corpo do seu trabalho, lembre-se que ele deve ser colocado entre parênteses.

Exemplo:

De acordo com a jurisprudência do I Colégio Recursal (ver anexo B) o consumidor deverá.....

Agora vale a dica magna:


Se você estiver pensando que vai incluir essa papelada para aumentar a quantidade de páginas do trabalho, lembre-se que o seu orientador pode até ter cara de doido de tanto estudar, mas não é burro.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela visita.