Fichamento para TCC







A greve dos policiais militares de Pernambuco acabou na semana passada e muitos vândalos que saquearam lojas, supermercados e deixaram a população refém da insegurança e do medo, foram presos e fichados pela polícia civil. Isso significar dizer, que eles tiveram seus dados pessoais anotados como as impressões digitais, fotografias de frente e de perfil, além de outras informações que possam contribuir para a investigação policial, e para as autoridades não os perderem de vista.

Fazendo uma analogia com o fato, e respondendo a pergunta de alguns leitores sobre o que é, e como fazer um “fichamento” para fins de trabalho monográfico e/ou acadêmico, posso afirmar que se trata do registro de todos os dados de uma fonte de informação, seja ela bibliográfica ou não, divulgada por meio impresso, eletrônico e sonoro. As fontes podem ser livros, folhetos, periódicos (revistas), DVD, CD-ROM, atas, exposições orais em congresso, palestras, encontros, simpósios etc.

Quais as informações que devem ser anotadas pelo pesquisador?

Para o seu alívio, você não vai anotar tudo, mas terá que dissecar a publicação. Então, mãos à obra...e registre:

1 Os dados bibliográficos (autor ou coordenador/organizador, título, edição, local de publicação, ano de publicação, número de páginas ou a página que encontrou a informação, título do capítulo, volume, título do artigo, número e mês (estes três últimos se for periódico).

2  O conteúdo, ou seja, o assunto que foi abordado.

3  As citações que chamaram sua atenção e que podem ser citadas no TCC – Trabalho de Conclusão de Curso, por exemplo. Não esqueça de abrir e fechar as aspas para delimitar uma citação textual (ipsis litteris).

4 Um resumo da publicação, destacando a ideia/proposta do autor. Não seja telegráfico, mas também não pense que está escrevendo outro livro. Se você não sabe resumir, paciência! É hora de aprender.

5 E sua opinião ou comentários sobre a publicação que você está pesquisando.

Entendeu por que você vai ter este trabalhão, não é verdade?

Como um bom pesquisador você já deve ter lido vários livros, periódicos e tudo mais (desculpe-me, estou tossindo) para redigir o seu trabalho acadêmico. E sabe que será impossível qualquer mortal guardar todo o levantamento de informações dentro da própria cabecinha. Um registro externo vai ajudá-lo a redigir seu trabalho.

E como fazer o fichamento?

No tempo em que não se andava com notebook, tablets e smartphones, o fichamento era feito manualmente, em fichinhas pautadas que comprávamos em livrarias.

Será que você não já viu algum professor tirando uma maçaroca de fichas de dentro da bolsa e começar a dar uma aula? Pois bem, são anotações que irão orientá-lo, e você terá que fazer o mesmo.





Antes dos registros digitais, a ideia era fazer anotações nas fichas porque facilitava a confecção de um fichário por assunto, autor, numérico etc. (semelhantes aos usados nas bibliotecas). Hoje, a busca do assunto no computador é rápida e fácil. Contudo,  nada, nadinha mesmo, você encontrará em qualquer lugar ou arquivo se não houver: ORGANIZAÇÃO.



Arte/ Tudo na nécessaire


Segue um modelinho, onde reuni todos os campos necessários ao fichamento, para você esquematizar sua pesquisa. Basta preenchê-lo:



Assunto:

Dados bibliográficos:
Resumo da fonte bibliográfica


Citações

Notas sobre conteúdo ideias principais e/ou fundamentais
Seus comentários/opiniões

Obviamente, esta é uma explicação prática do que se trata um fichamento.  

Mas, se seu professor pedir que você faça vários tipos de fichamento (bibliográfico, conteúdo, resumo, etc.), separadamente, e para fixação de aprendizagem, não queira vê-lo pelas costas. Faça, mesmo que seja manualmente. Nada melhor do que aprender a cozinhar em panela de barro e depois fazer tudo em panela de teflon e elétrica.

Pensando nisso, e imaginando que você vai ainda queimar suas pestanas nas aulas de metodologia científica e sair de lá com vontade de desistir do curso, indico ainda dois livros que podem lhe salvar:

OLIVEIRA, Maria Marly de Oliveira. Como fazer projetos, relatórios, monografias, dissertações e teses. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005. 174 p. Inclui anexos. 

SALVADOR, Ângelo Domingos. Métodos e técnicas de pesquisa bibliográfica: elaboração de trabalhos científicos. 10.ed. rev. amp. Porto Alegre: Editora Sulina, 1982. 254 p. (Edição esgotada).


Boa pesquisa! Estou torcendo por você.


“Desejo também declarar que o pouco que aprendi até aqui 
é quase nada em comparação com o que ignoro 
e que não me desespero de aprender.”
(René Descartes)







Um comentário:

  1. Que bom! Estava precisando dessas dicas. Obrigada!

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita.