Com licença, ficarei num cantinho



Festas de final de ano nos deixam uma ressaca. Concorda? Mesmo que você não faça ingestão de bebidas alcoólicas, fica a necessidade de dar uma parada regulamentar e respirar. Foi o que fiz nesses últimos dias. Agora, volto às postagens e já estava com saudades.


Dalila

Você bem sabe que um animalzinho de estimação faz parte cada vez mais do cotidiano das pessoas, um fato comprovado. Basta olharmos as prateleiras dos supermercados, as revistas femininas e até masculinas para constatarmos que eles estão dominando os humanos :) .  E ver também que quando o sol dá os primeiros sinais no horizonte, começam a surgir, de todos os cantos do bairro, os donos - alguns até já marmanjos, para passear com o seu poodle, o cocker spaniel, o yorkshare .... e outros xodozinhos - de raças conhecidas pela facilidade que vivem em apartamentos ou se adaptam à rotina de seus habitantes. Para quem tem um pet, encontrar outro na rua é motivo de alegria, brincadeiras, quando não raro eles estão também nos carros, dirigindo ao lado do motorista ou postados nas janelas, olhando a paisagem “passar pelas narinas”. Aliás, dirigir com um animalzinho no colo é uma imprudência que pode trazer consequências desastrosas ou acidentes irreversíveis.

Mas, se você ama seu pet e trata-o como se fosse um membro da família, deve compreender também que nem todas as pessoas gostam de animal, nem tolera sua aproximação. Algumas sequer têm motivos ou explicações para não gostarem,  mas simplesmente não gostam. Outras pessoas têm medo. E como medo é um sentimento, muitas vezes, inexplicável e com consequências imprevisiveis, é aconselhável que tenhamos respeito ao outro. É muito pouco provável que alguém goste de ter medo de barata, sapo, rã, cachorro, gato, galinhas ou qualquer outro animal. Por isso, muita atenção quando você for anfitrião ou anfitriã. Mesmo conhecendo o convidado e o seu animalzinho, existem algumas regrinhas de etiqueta que deverão ser obedecidas para não causar constrangimentos. 


Dalila, na noite de Natal, recolhida a um cantinho e sem incomodar os convidados.

Se seu xodozinho for de bem com a vida e adorar abanar o rabinho e pular em cima do convidado ou até puxar sua mão pedindo carinho, vale lembrar que nada mais incômodo é você chegar num local todo arrumado e ter sua roupa puxada, suas pernas arranhadas ou as mãos lambidas. A exceção pode até ser para os familiares que estejam acostumados com o animal.

Ensine o seu pet a obedecer, desde bem novo. Os animais precisam também de limites e normas como, por exemplo, não ficar próximo à mesa de refeição enquanto você está oferecendo um almoço ou jantar.  Atitude contrária pode representar, para seu convidado, até falta de higiene.

Também não deseje que as crianças dos amigos se identifiquem com o animal. Dependendo da idade, elas não vão entender que puxar o rabo do pet, abaná-lo, dá uma tapa ou puxar sua comida, representam uma agressão. E o animal poderá reagir mordendo. Se você considera pouco provável, não se esqueça que você poderá até dividir a cama com o pet, mas ele será sempre irracional e agirá pelo instinto.

E se você mora em condomínio e precisa usar o elevador, regularmente, observe também às normas. Geralmente, só é permitido o animal transitar pelo elevador de serviço. Evite aborrecimentos.  


Um comentário:

Obrigada pela visita.