Solidão: alguém tem medo?




 Texto de Flávio Gikovate

O que é preferível: ficar só ou mal acompanhado?





A esta pergunta a grande maioria das pessoas responde de duas maneiras diferentes. Quando se trata de uma situação hipotética ou da vida dos outros, elas dizem que não há sentido algum em continuar com quem não se ama ou com quem a gente não tem afinidade.  Assim também respondem os mais jovens e inexperientes. No entanto, quando enfrentamos uma situação de fato, em que um homem ou uma mulher se vêem  envolvidos numa união cheia de brigas e dissabores, a coisa é muito mais complicada.

A maior parte dos casais prefere ir tocando o relacionamento aos trancos e barrancos em vez de fazer as malas e ir para qualquer outro lugar – a casa de um parente, de um amigo, um hotel etc. Essa é uma das situações em que é muito fácil falar, mas muito difícil fazer.





Afinal, o que nos prende tanto ao casamento? Serão os filhos? O patrimônio? Os costumes e apego que temos às coisas que nos cercam, especialmente, a própria casa? Ou será o pavor de nos vermos isolados? Embora todos os fatores citados tenham certa importância, acredito que a principal razão pela qual as pessoas conservam vínculos absolutamente insatisfatórios deriva do fato de que não podem sequer se imaginar sozinhas por alguns dias. É curioso, pois isso acontece também com aquelas criaturas que, no passado, viveram longo tempo sem companhia. É como se a gente desaprendesse totalmente que essa condição é, sob certos aspectos, até bastante agradável. É como se a gente regredisse e conseguisse se considerar integrada apenas dentro de um grupo.




Todos nós crescemos participando de um núcleo familiar – ou algum substituto dele – no qual nos sentíamos mais protegidos, mais confortáveis. E a sensação persistia mesmo se o ambiente fosse tenso, cheio de brigas e atritos. Afinal de contas éramos dependentes e não tínhamos a opção de ficar sozinhos. Esta hipótese estava relacionada com o total desamparo e com a falta de recursos para a sobrevivência. Parece que, depois de adultos, continuamos a associar à vida em família toda a sensação de proteção e segurança; e à vida solitária, todo o medo e todo o abandono. Isso sem contar os preconceitos, pois crescemos ouvindo frases do tipo: “Coitada de fulana! Não se casou e vive sozinha. Como deve ser triste a sua vida!” “Pobre daquele menino órfão que não tem pais para lhe dar carinho e atenção”. Tais frases, repetidas durante os anos de formação, ficam impressas a ferro e fogo dentro de nós.




Podemos ficar sozinhos por anos a fio, especialmente durante a mocidade. Isso acontece quando vamos estudar ou trabalhar noutra cidade, por força das circunstâncias ou mesmo por livre opção. Depois de certo período mais difícil de adaptação, acabamos gostando muito da experiência. Mas, vêm de novo os preconceitos que nos “ensinam” a não ser “normal” gostar de ficar só. Logicamente, esse tipo de contradição nem sempre ocorre.

No nosso país, a grande maioria dos jovens só sai de casa para se casar. Quando estuda fora, mora em repúblicas [ou casa de famílias] que são habitações coletivas, onde mais uma vez se valoriza a vida em grupo.

Embora nem todos tenham a consciência disso, a sociedade favorece a dependência entre as pessoas. Acontece que, em determinados momentos, deveríamos estar capacitados para atos de plena autonomia. E não estamos. É o caso da situação conjugal cheia de brigas e desacertos. Racionalmente, teríamos que pôr um fim nisso o mais depressa possível. Precisaríamos ter condições para passar um certo tempo sozinhos, independentes, nos bastando, capazes de diálogos interiores, meditação e reflexão até para entender a profundidade por que as coisas se encaminharam dessa forma.






Infelizmente, a simples ideia de nos encontrarmos isolados num quarto de hotel já nos provoca pânico. E ficamos presos ao emaranhado complexo em que se transforma a vida conjugal cheia de atritos. Na maioria dos casos, não temos força sequer para uma separação temporária.




Penso que esse tipo de medo é muito perigoso, pois não são raras as vezes em que “pausa conjugal” pode ser a última chance para a reconciliação. Quando estamos sozinhos e longe da situação de conflito, temos oportunidade para refletir melhor e fazer uma autocrítica mais correta.  Aliás, deveríamos recorrer à solidão sempre que nos encontrássemos numa encruzilhada, seguindo o exemplo de Moisés, Jesus e tantos outros que se isolaram para meditar, nas montanhas ou no deserto, ganhando novas forças antes de tomar decisões radicais e definitivas.




Titulo original do artigo:  Quem tem medo da solidão? Publicado em janeiro/1992, na Revista Cláudia.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela visita.