Segredinho da vovó






Se todas as vovós tivessem o corpinho de Claúdia Ohana...

Hoje é o Dia da Vovó. Parabéns para todas as leitoras que estão convivendo, e bem, com a sua segunda geração de filhos. Ainda não sou vovó, mas se Deus quiser, um dia provarei desse gostinho.

Há alguns anos, ser avó era sinônimo que as folhinhas do calendário tinham avançado e muito. Hoje, assim como quase não existem folhinhas, porque elas estão cada vez mais digitais, ser vovó está se tornando uma condição de mulheres ainda muito jovens. O fato é que os adolescentes estão iniciando mais cedo sua vida sexual e, sem orientação adequada ou descuido, o resultado é um bêbe. Portanto, ser chamada de vovó deixou de ser uma afronta à juventude da mulher. Por outro lado, mesmo aquelas que já passaram dos cinquenta aninhos não estão preocupadas, apenas, em manter-se saudável, mas retardar o aparecimento das marcas do tempo que, cedo ou tarde, fatalmente vão aparecer. E, ao invés de se ficarem tristinhas, agradecem mesmo a Deus pelo dom da vida e vão à luta, renovando-se sempre em atitudes e aparência.


Cantora Rita Lee

A ação do tempo é para todos e todas. Aparece uma ruguinha aqui, outra ali, a pele vai perdendo sua oleosidade natural, algumas manchinhas surgem, os cabelos não têm o mesmo brilho, os ossos vão ficando frágeis e as articulações já não obedecem ao cérebro com tanta facilidade. Então, o que você tem? Colagenose ou perda de colágeno, uma proteína presente em 30% do nosso corpo e responsável por manter os tecidos, impedindo-os sua deformação. O colágeno também sustenta as células, mantendo-as bem ligadinhas entre si, sendo o principal componente da pele, ossos, cartilagens, ligamentos e tendões.

Mas, são as mulheres que mais sofrem com a perda de colágeno, que começa a partir dos 30 anos e atinge seu ápice aos 50, acelerando-se com a menopausa e podendo chegar a 2% ao ano. Isso se deve porque, segundo os especialistas, dos 45 aos 50 anos, a mulher passa por uma deficiência do estrógeno, hormônio feminino, fazendo com que haja uma diminuição dos fibroblastos, células que fabricam colágeno. Além disso, alguns hábitos como o tabagismo e a exposição solar ao longo da vida influenciam negativamente na preservação do colágeno.


 Daniela Mercury - uma vovó de sucesso

Para minimizar o problema, os nutricionistas recomendam uma alimentação à base de proteínas de origem animal, como carne vermelha e frutas como o kiwi, morango e amora, que são ricas em colágeno. Contudo, podemos adquirir o colágeno industrializado, em pó, que é extraído de ossos, pele e tendões de animais. Posso afirmar que ele tem um gostinho meio estranho, com aparência de sal e deve ser acrescentado ao iogurte, sucos e frutas,  todos os dias para poder estimular à produção do colágeno natural.

O colágeno como suplemento alimentar é um dos aliados na prevenção contra o envelhecimento da pele, de doenças degenerativas como a osteoporose e ainda fortalece cabelos e unhas, além de oferecer uma sensação de saciedade, sendo indicado nas dietas.
Com todos esses benefícios, você vai descartá-lo? Claro que não.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela visita.