Laços

O Tudo na nécessaire está se renovando e os leitores já podem notar algumas alterações na disponibilização do conteúdo, em sessões, que facilitarão a navegação. Além disso, ficou mais fácil fazer comentários, se desejar pelo facebook. Lembramos apenas que os conteúdos estão sendo atualizados aos poucos.

E o Tudo está com uma página no facebook independente da minha particular.


 Vamos a mensagem para abrir a semana:
 
"Eu nunca tinha reparado como é curioso um laço... uma  fita dando voltas. Enrosca-se, mas não se embola,vira, revira, circula e pronto: está dado o laço. É assim que é o abraço: coração com coração, tudo isso cercado de braço.

É assim o laço: um abraço no presente, no cabelo, no vestido, em qualquer coisa onde o faço.

E quando puxo uma ponta, o que é que acontece?
Vai escorregando... devagarinho, desmancha, desfaz o abraço. Solta o presente, o cabelo, fica solto no vestido. E, na fita, que curioso, não faltou nem um pedaço.

Assim é o amor, a amizade.

Todos os sentimentos são como um pedaço de fita: enrosca, segura um pouquinho, mas pode se desfazer a qualquer hora, deixando livre as duas bandas do laço.

Por isso é que se diz: laço afetivo, laço de amizade. E quando alguém briga se diz: romperam-se os laços.

E saem as duas partes, iguais aos pedaços de fita, sem perder uma parte, um pedaço.

O amor e a amizade são isso... Não prendem, não escravizam, não apertam, não sufocam. Porque quando vira nó, já deixou de ser um laço! " 

A mensagem, de autoria desconhecida, encontrei nos meus arquivos. Beijos e um excelente início de semana, com paz e saúde.



Um comentário:

  1. Um laço e um nó, sutil diferença.

    Amor e amizade são diferentes, pois se complementam, são laços, são fluidos, são bonitos.

    Quando vira um nó existe um domínio. Pode ser até bonito, mas quando deixa de ser fluido, prende, escraviza.

    Algumas vezes nem percebemos que deixamos de enlaçar e queremos dominar através dos nós, e sufocamos.

    Aprendamos com a lição.
    Sejamos laços, com a fraternidade e tolerância devidos
    e não nós que prendem e escravizam.

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita.