Semana da decoração: De volta para o meu aconchego





Elas compõem o ambiente, deixando-o aconchegante. Mas, a função das cortinas é proteger o seu espaço da luminosidade externa, evitando que os móveis, quadros e outros objetos fiquem queimados e mudem a sua coloração. As cortinas também permitem que o ambiente fique agradável e confortável na hora do sono, minimizando os sons.

Existe uma variedade enorme de tecidos para fazer uma cortina, que vão do linho e algodão ao voal, chiffon, cetim e seda. A escolha do tecido para confecção das cortinas, segundo a arquiteta Priscila Luana de Oliveira, deverá levar em consideração as características do ambiente tais como: tonalidade dos móveis, tapetes, estofados e almofadas, até o tipo de forração de gesso. Se as cortinas forem utilizadas nos quartos, poderão combinar também com os lençóis ou colchas de cama. 

Escolher a cortina parece uma tarefa fácil, mas para muitas pessoas não é. Segundo a vendedora Luciana Barros, da Variante Decorações, que possui mais de oito anos de experiência no ramo, geralmente a dúvida do cliente é sobre qual o tipo de tecido deverá adquirir, porque muitas lojas oferecem uma grande variedade.




Outra dúvida é saber quantos metros de tecido serão utilizados. Luciana explica, por exemplo, que para uma cortina franzida feita com tecidos finos, deve-se multiplicar por três a largura do espaço onde a cortina será colocada. Se o tecido escolhido for mais encorpado, a pessoa deve multiplicar a largura por dois. O ideal é conversar também com um cortineiro, costureiro especializado em confeccionar cortinas, que poderá calcular a metragem com maior precisão. Geralmente, um cortineiro cobra em média cinqüenta reais por metro costurado.

O acabamento é outra incerteza dos clientes, segundo Ednalva Ferreira, gerente da Variante. Existem argolas, botões, ilhoses, alças e ponteiras com preços variados. Como também, as cortinas podem ser colocadas em trilhos suíços, varões de madeira ou cromados, simples ou duplos. As cortinas podem ter bandô e, se de tecidos finos, utilizarem blackout.


Em relação ao comprimento das cortinas a arquiteta Priscila Luana exemplifica “cortinas para varanda devem ter a altura do piso ao teto. Aquelas que são para janelas de quarto devem considerar a altura da janela e a existência da caixa de ar condicionado, modelo anterior ao Split. Deve se levar em conta a existência de um painel em madeira ou não na parede, onde se localizará a cortina.” Tudo isso altera o comprimento.






E, para tornar o local mais aconchegante ainda, Priscila recomenda usar também almofadas. “Elas podem ser lisas, estampadas, de listras ou figuras geométricas”, afirma. Hoje já é possível fazer uma composição com listras e florais de tonalidades semelhantes. O mais importante é respeitar a paleta de cores definida para o ambiente. As almofadas devem sempre combinar com o conjunto de peças do ambiente”, conclui.












Um comentário:

  1. Muito bom.
    Decoração é questão de bom gosto.
    Adorei ver a Luciana dar essas dicas.
    é uma excelente Vendedora!

    Beijos.

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita.