Verdade do padre







Esta foto está exposta no Restaurante Norte Bolos, na cidade de Bezerros, PE.


Bom início de semana.



Começando...






agenda Refile
Agenda Refile

De repente, estou aqui novamente para novas postagens.

Depois de um final de ano que mais parece que o mundo vai se acabar, devido à urgência das pessoas para honrar seus compromissos seja no trabalho ou com a família, e nisso eu me incluo também; de ter que fazer uma faxina geral começando pelo computador; responder aos e-mails pendentes; programar o mês de janeiro e eis que o ano começa (já estamos na segunda quinzena) e a maioria de nós não faz um terço do previsto.

Isso mesmo! Fazemos mil planos, mas não colocamos em prática a metade. Por que será? Talvez porque acreditamos que temos todo o tempo do mundo, mas ele se esvai como areia da praia em nossas mãos.

Este ano, tive a certeza que vou continuar usando agenda de papel.
Já tentei usar tablete, celular, agenda do e-mail – mas sem sucesso. Não consigo me adaptar. O que eu gosto mesmo é de rabiscar o papel com cores diferentes, folhear cada página e colocar bem grande “Ok” colorido nas tarefas cumpridas. Então, se dá resultado, para que trocar?
Optei pela agenda da Refile, personalizada (@CurtaRefile).

agenda Refile


E para começarmos bem: 

Tenha fé no futuro.
É da natureza da planta crescer e da natureza da água limpar. Em você a esperança existe para elevar a paz, alegrar o coração, potenciar o bem, progredir, dar sentido à vida, unir a Deus....
(Lourival Lopes)



Seja o caminho













Os meninos que rasgavam as embalagens




Marido e eu estávamos num shopping hoje à tarde quando, já na saída, nos lembramos de comprar fraldas descartáveis para um chá de bebê que ele irá participar.

Entramos nas Lojas Americanas porque, exceto às promoções, lá pelo que se diz, tem os melhores preços (não é publicidade paga). Depois de muitas escolhas, porque faz muito tempo que esse item deixou de fazer parte de nossas compras, fomos ao caixa. Fila enorme.

Ouvimos uns estalos. Para nossa surpresa eram quatro crianças, entre uns sete a oito anos de idade, que estavam rasgando as embalagens dos esmaltes em promoção, expostos num tabuleiro. Num impulso, eu disse “Não façam isso, vocês estão prejudicando à loja”.

As crianças se entreolharam e procuram com os olhos o adulto responsável por eles, que também estava na fila. Ninguém correspondeu. Meu marido, então, num tom mais alto, disse: “Isso se trata de educação doméstica. É um absurdo a mãe ignorar”.

Silêncio.  

As crianças continuaram mexendo no tabuleiro dos esmaltes, no entanto, sem rasgarem as embalagens. Vez por outra, olhavam para a fila em busca da cumplicidade da mãe, que permaneceu ignorando a situação.

Fomos ao caixa do lado oposto da loja e enfrentamos outra fila enorme, com tanto que saíssemos dali, porque cremos que o silêncio dos pais, hoje, tem grandes possibilidades de se transformar, amanhã, num pranto pela delinquência dos filhos.

E como disse Vinicius, no livro “Em torno do Mestre”:


Bom início de semana.