Ação e reação








Bom início de semana.




Bolo de banana com toddy





Banana é uma fruta que amadurece rápido e fica com a casca escura. Aqui em casa os filhos não querem comer. Jogá-las fora, quando se sabe que estão ainda próprias para consumo, é quase um pecado num país que milhões de pessoas estão abaixo da linha da pobreza. Definitivamente, não gosto de desperdício.




Então, procurei em meus caderninhos de receita, como aproveitá-las. Encontrei uma receita antiga, nunca testada por mim. Também não lembro quem me deu. Ao invés de 8, usei 14 bananas.

Ingredientes:

9 bananas maduras (amassadas)
5 bananas maduras (cortadas em tiras)
1 xicará (chá) de óleo
1 caixa de leite condensado
4 colheres (sopa) de açúcar
5 colheres (sopa) de toddy
3 ovos
2 xícaras (chá) de farinha de rosca
1 colher (sopa) de fermento em pó







1 .Amassei bem as bananas as 9 bananas. Coloquei no liquidificador junto com o óleo, leite condensado, açúcar e o toddy.
2. Bati as claras em neve.
3. Acrescentei as gemas e continuei batendo.
4. Desliguei a batedeira e despejei essa massa numa vasilha plástica.
5. Acrescentei a farinha de trigo e o fermento. Mexi com uma espátula.
6. Untei a forma com margarina e farinha de trigo.
7. Despejei a massa na forma e cortei mais 5 bananas em tiras e decorei o bolo.





8. Levei ao forno por uns 45 minutos.
9. Quando retirei do forno, salpiquei canela e açúcar.






Geeeeeennnnnte, ficou uma delícia. Rapidamente, o bolo acabou.









São 25 anos








Meus filhos são resultado de um sonho cultivado desde a adolescência: ser mãe.

Quando soube que estava grávida do meu primeiro filho, torci para que fosse um menino.




Mas, eu não só queria que fosse um menino para que meus pais curtissem o sabor de ter um neto (eles só conviviam com netas porque o único neto mora no sudeste do país), como sonhava que o segundo filho seria uma menina. E foi.

Na última ultrassonografia que eu fiz, já aos oito meses de gravidez, pedi ao médico para saber o sexo.

No final do exame, ele perguntou o que eu gostaria.

Eu disse: - Um menino. Porque o único neto dos meus pais vive longe. 

Depois de várias mexidas na minha barriga, porque a criança estava sentada,  o médico disse:

- Então, a família vai ficar muito contente porque é um menino.




Naquele dia, não só ficamos contentes, mas estamos felizes até hoje.

19.09.2016: Nosso bebê cresceu e hoje completa 25 anos.



Conviver com Raphael (curado por Deus) Felipe (amigo dos cavalos) é, sem dúvida, estar junto de uma pessoa do bem: disciplinado, responsável, determinado, discreto, compreensivo, profissional e amoroso.

Raphael Felipe continua sendo um neto atencioso e um filho que tem nos proporcionado muitas alegrias.




Então hoje, eu não poderia deixar de dizer:








É o pigarro de Arraes !







Então, eu conto o caso como o caso foi...

Fui ao médico na semana passada, num desses especialistas que passam uma hora ou mais com o paciente - coisa rara nos dias de hoje.

Cheguei cedo e consegui ser a terceira da vez.  As recepcionistas, a medida em que o médico ia atendendo, chamavam o próximo paciente e faziam a ficha pessoal. Elas também pediam os exames (caso tivessem) e levava-os para outra sala.  Depois de muito tempo, elas devolviam ao paciente.

Chegou a minha vez de ser atendida. Depois do protocolo, recebi a devolução dos exames.

Eu sabia que o médico era experiente e bastante credenciado, haja vista já ter tratado minha mãe.

Inicialmente, ele fez algumas perguntas e foi verificando os exames um a um. Lia-os e depois fazia suas anotações no computador. Fiquei em silêncio para não atrapalhar. 

À certa altura, ele interrompeu o silêncio:

- Como é a sua primeira vez aqui, gosto de passar o resultado dos exames para o computador para que eu tenha um histórico, disse o médico.

- Eu estava pensando se não seria mais fácil uma das recepcionistas ter "scaneado" os exames (feito uma cópia), respondi.

- E elas fazem, disse o médico. E colocam num arquivo à parte. Mas, prefiro escrever, porque eu vou memorizando e enquanto isso,  vou construindo um diagnóstico e traçando na minha cabeça um caminho a seguir.

- Ok, respondi.

E pensei comigo mesma: “É o pigarro de Arraes”.

No meio jornalístico, conta-se que o mito Miguel Arraes, ex-governador de Pernambuco por três vezes, parava uma entrevista para pigarrear muito, mas era o momento em que ele pensava a resposta.



Na verdade sabemos que, por maiores especialistas que sejamos, em determinados assuntos haverá situações que poderão nos surpreender ou nos levarão a busca de novos ou outros conhecimentos.  Sem sombra de dúvida, as experiências que somamos facilitarão a construção de novos caminhos.  

Portanto, quando dizemos não saber um assunto específico, que precisamos pensar e pesquisar para dar a resposta em outra ocasião, não estamos nos diminuindo como profissional, mas trilhando um caminho para continuarmos tendo o seu exercício, em qualquer área, sendo respeitado. 

Bom início de semana.








Renovação




Vamos terminar a semana com a imagem desse ninho de beija-flor, feito numa plantinha que fica em uma das empresas em que trabalho, para celebrar a 

renovação

 sentimento que devemos cultivar diariamente.







A formação do ninho visto pelos funcionários teve sua área imediatamente sinalizada para garantir o início de vida. 

Bom mesmo seria, se a espécie humana tivesse o cuidado com a vida como tem os animais irracionais. 









MUITO x pouco








Então, não temos o direito de diminuir a dimensão do problema do outro. Se para uns, a dor de unha encravada pode ser um grande problema, para outros a dor de uma doença mais grave pode ser superada com paciência.

Ontem, eu estava no supermercado, quando uma senhora bem idosa fazia a atendente do caixa sorrir. Eu não estava prestando atenção ao assunto falavam, até a senhora idosa virar para mim e dizer: 

- A gente tem que rir da vida. Meu marido está internado em casa (Home Care). Ele foi fazer uma cirurgia e está paralítico. Reze por mim e por ele. 

Depois, me disse o nome de ambos. Em seguida, o filho dela (bem paciente) chamou para irem embora.

Na semana em que começam as Paralimpíadas Rio 2016, vamos assistir muito mais que disputas, mas momentos de superação de pessoas que não desistiram diante dos problemas e deram a volta por cima, venceram barreiras físicas e emocionais para estarem ali fazendo o que gostam, necessitam e lhes dar prazer. 

Excelente início de semana.